Diálise Peritoneal

Como funciona?

A diálise peritoneal é um outro procedimento que remove as impurezas e o excesso de água do seu corpo. Esse tipo de diálise utiliza do peritônio dentro do seu abdômen como uma membrana filtradora (dialisador). O peritônio é uma fina membrana que reveste toda a parede abdominal do lado interno e forma uma cavidade que contém a maioria das vísceras abdominais. O peritônio contém inúmeros vasos sanguíneos pequenos e apresenta uma área muito grande. Então, ele é apropriado para filtrar seu sangue quando a cavidade abdominal está repleta de líquido de diálise.

O líquido de diálise é inserido dentro do abdômen por meio de um tubo macio (Cateter de Tenckhoff). Essa solução contém uma mistura de minerais e açúcares dissolvidos em água. O açúcar, denominado de dextrose, absorve a água e as impurezas do sangue da membrana peritoneal para o líquido. Depois de algumas horas, a solução injetada no seu abdômen é retirada pelo mesmo tubo a qual foi inserida retirando as impurezas. A solução de diálise fica um tempo hábil na sua cavidade peritoneal. Então você injeta uma solução de diálise nova e o ciclo recomeça. Cada ciclo deve ser feito de 4 a 5 vezes por dia. O paciente pode realizar a diálise peritoneal sozinho.

Figura 1: Princípio da Diálise peritoneal ambulatorial continua (DPAC)

Figura 1: Princípio da Diálise peritoneal ambulatorial continua (DPAC)

Tipos de diálise peritoneal

Existem duas maneiras de se realizar a diálise peritoneal: A diálise peritoneal ambulatorial continua (DPAC), a qual tipicamente é realizada durante o dia e a Diálise peritoneal cíclica continua (CPCC), a qual pode ser realizada no período da noite utilizando uma máquina que drena e injeta as soluções no abdômen automaticamente. Ambas as formas são feitas pelo paciente sem necessitar de ajuda.

Diálise peritoneal ambulatorial contínua (DPAC)

DPAC é a forma mais comum de diálise peritoneal. Não necessita de máquinas e pode ser realizada no seu dia-a-dia. Com a DPAC, seu sangue é filtrado continuamente. A solução de diálise passa do recipiente para seu abdômen e lá fica por horas enquanto o cateter está fechado. Depois, você drena a solução de diálise para o outro recipiente. Assim, você usa o mesmo cateter para injetar nova solução de diálise e repetir todo o processo. Com DPAC a solução de diálise permanece no abdômen de 4 a 6 horas (ou mais). O processo de drenagem e injeção de nova solução dura em média de 30 a 40 minutos. Deve ser feito em um local limpo e adequado. A maioria das pessoas troca a solução de diálise quatro vezes ao dia e antes de dormir aplicam uma solução de diálise nova. Com o DPAC você não precisa acordar durante a noite para realizar um novo ciclo.

Diálise peritoneal cíclica contínua (DPCC)

DPCC é também chamada de diálise peritoneal automática. Ela necessita de uma máquina chamada de ciclador para abastecer seu abdômen por três vezes durante a noite. Pela manhã, você realiza um novo ciclo que é o suficiente para o dia inteiro. Depois disso, você está livre para realizar suas atividades rotineiras. Antes de ir dormir, o cateter necessita ser reconectado ao ciclador e a ciclagem recomeça.

Existe uma forma modificada da DPCC que é a diálise peritoneal plus, a qual necessita de um ciclo adicional durante o decorrer o dia. Essa técnica é geralmente empregada para pacientes acima do peso ou quando a membrana peritoneal realiza a filtragem de uma forma mais demorada. Se essa técnica for requisitada pelo seu médico, você utiliza o ciclador durante a noite e, também, realiza um ciclo durante o dia. Dependendo o ciclador você pode utilizar o método de DPAC. Essa ciclagem adicional é essencial para reduzir as impurezas e o excesso de liquido no seu corpo.

Acesso da diálise peritoneal

Antes de realizar a primeira diálise, um cirurgião colocará um tubo macio e pequeno denominado cateter de Tenckhoff no seu abdômen. O cateter começa a trabalhar perfeitamente, geralmente, após 10 dias (2 a 3 semanas) quando o ponto de inserção começa a cicatrizar. Essa é outra maneira de realizar o tratamento de uma forma correta e obter sucesso. O cateter é permanente e ajuda a transportar a solução de diálise para dentro e para fora da cavidade abdominal. Somente um cateter fica posicionado do corpo e recoberto, enquanto os outros ficam em média 4 polegadas para fora dependendo do cateter. O cateter garante o enchimento da cavidade abdominal e também a saída da solução de diálise.

Possíveis complicações da diálise peritoneal

A complicação mais comum da diálise peritoneal é a peritonite, uma inflamação grave do abdômen. Essa infecção pode ocorrer quando a inserção do cateter está infectada ou se houver alguma contaminação na conexão do cateter com os recipientes. Para tratar a peritonite, é necessária antibioticoterapia prescrita por um médico. Para evitar a peritonite, você precisa ser sempre cauteloso nos procedimentos e saber reconhecer os estágios iniciais da peritonite que incluem:

  • Febre;
  • Coloração não comum ou turva do fluído utilizado;
  • Vermelhidão e dor ao redor do cateter.

Para a peritonite ser efetivamente tratada, sem causar complicações, você deve reportar esses sinais para seu médico o mais rápido possível

Passos para ter uma boa higiene das mãos para prevenir peritonite

Antes de você encostar no cateter, na saída ou nas conexões, você deve sempre lavar e fazer a assepsia das mãos. Fazendo isso, você diminui a quantidade de bactérias e vírus na sua mão e, consequentemente, o risco de causar uma infecção é reduzido.

Realizando uma boa higiene das mãos você consegue evitar as infecções.

Primeiro passo, lave cuidadosamente suas mãos para remover a sujidade aparente. Certifique-se que suas unhas estão limpas. Então seque suas mãos. Próximo passo, assepsia. Certifique-se de utilizar a quantidade certa de antisséptico para assegurar o procedimento. Devem ser incluídas unhas e o pulso. Não utilize anéis, relógios, braceleiras, etc. durante o procedimento. Se você tem um dispensador de antisséptico utilize seu cotovelo para aplicar o antisséptico, assim você evita a contaminação das mãos.